A quem interessam as “reformas” de Temer?

A quem interessam as “reformas” de Temer?

De um governo nacionalista, com forte valorização e identificação de nação, surge a necessidade de regulamentar as relações entre patrão e empregado. Eis que nasce, 1º de maio de 1943, a CLT. Getúlio Vargas propiciou a cessão de poder dos estados ao governo central, dos industriais e dos latifundiários às classes médias e baixas das cidades.

O governo entrou no âmbito dos negócios e na falta do capital nacional. Competiu com o estrangeiro, nacionalizando e modernizando a indústria brasileira. O governo Getulista se aliou ao empresariado nacional e garantiu as proteções sociais para a classe trabalhadora. Novos governos optaram pela globalização, apostando no capital especulativo. A preocupação com o emprego, razão maior de qualquer governo, e a soberania, eram coisas do passado. Era preciso sepultar a Era Vargas!

O capital estrangeiro busca sempre a taxa mais alta de lucro no país sede e o mais baixo na periferia. Assim, paga o menor salário, para que a empresa multinacional possa remunerar melhor seus investidores. E por que falo no capital estrangeiro? Porque é a base de tudo. O capital não tem pátria e é capaz de resolver tudo. No entanto, para isso, o país periférico deve dar uma “ajudinha”: deve produzir legislações e políticas públicas “camaradas”, direcionando os setores prioritários de nossa economia aos interesses internacionais.

O capital especulativo exige alterações nos direitos sociais e garantias da classe trabalhadora. É o fim da proteção social, uma das partes fundamentais do processo produtivo. Estamos diante de um executivo de complemento, de continuação, comprometido com o lodaçal da política nacional, dono de características totalmente entreguistas. Tal igual o poder legislativo acovardado, serviçal e manchado por denúncias de corrupção.

Neste palco, é natural que os interesses obscuros se sobreponham aos da população. Estão entregando o Brasil dos brasileiros! As reformas “trabalhista e previdenciária”, exigências dos interesses internacionais, andam a galope. A terceirização já foi. Vitória da especulação. Mais sofrimento para o Povo do Brasil!

Juliana Brizola

Deputada estadual (PDT)

Artigo publicado no Jornal Sul 21: http://www.sul21.com.br/jornal/sobre-o-dia-trabalhador-quem-interessa-reformas-de-temer-por-juliana-brizola/

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *