Quem Sou

Nasci na cidade de Porto Alegre, em 1975. Porém, aos três anos de idade, em função do exílio imposto pela ditadura militar ao meu avô Leonel de Moura Brizola, deixei nossa cidade e passei a morar no Uruguai. Somente em 1979, com a reabertura democrática, e a volta de meu avô, retornei ao Brasil.

No ano de 1982, com a eleição para governador de meu avô, passei a morar na cidade do Rio de Janeiro. Cresci com a política muito presente em meu dia a dia, despertando em mim, desde cedo, vontade de trabalhar para mudar a sociedade que já me percebia ser injusta para a maioria do povo brasileiro. Já me espelhava na ambição de meu avô que lutava para fazer do mundo um lugar melhor para se viver.

Na minha adolescência, voltei a Porto Alegre e estudei no Colégio Farroupilha. Após a conclusão do ensino médio, retornei ao Rio de Janeiro para cursar Direito, onde me formei na Universidade Santa Úrsula. Além dos estudos, tive convivência intensa com meu avô Leonel de Moura Brizola e com políticos que me pautam até hoje, como o professor Darcy Ribeiro.

Após concluir o curso de Direito, retornei, novamente, à minha cidade natal, Porto Alegre, para continuar trajetória acadêmica, onde cursei especialização em Ciências Criminais na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Atualmente, estou fazendo mestrado também em Ciências Criminais.

Mas a política estava no sangue. Aprendi, com meu avô, desde muito jovem, a nunca fugir à luta. Foi então que, em 2007, defendendo a participação da juventude e dos militantes nos espaços de gestão, nas instâncias partidárias e políticas, fui eleita presidente da Juventude Socialista do PDT/RS, partido ao qual sou filiada desde os 18 anos de idade.

Por minha atuação e militância na JS, fui nomeada Secretária da Juventude da Prefeitura de Porto Alegre, em 2007, onde realizamos a Primeira Conferência Municipal da Juventude.

Fui adiante e, pautada na herança política deixada por meus avôs Leonel Brizola e Alfredo Daudt, resolvi ser proponente de nossas bandeiras e, em 2008, me elegi vereadora de Porto Alegre, alcançando a maior votação do PDT na capital, quando presidi as Comissões de Educação, Cultura, Esporte e Juventude e a Comissão de Defesa do Consumidor, Direitos Humanos e Segurança Pública.

Neste período, fui uma das maiores defensoras e aderi à luta por melhorias nas condições de vida para os moradores da antiga Vila Chocolatão, então localizada na Av. Loureiro da Silva. Atuei em defesa, instituindo em lei, os “guardadores de veículos”, onde foi regularizado um dos grandes problemas de Porto Alegre.

Junto à Associação de Moradores da Restinga, abracei a causa do Transporte Coletivo Seletivo – Lotações, para o Bairro da Restinga, instituído após o devido processo licitatório.

Ainda, quando no mandato de vereadora, em 2009, fui presenteada com o nascimento do meu primeiro filho, o José Inácio. Foi um ano de muito aprendizado, que me mostrou como é ser mãe e trabalhadora, conciliando a vida pública com a maternidade. O que fez com que eu fortalecesse minhas convicções, sobretudo na luta pelos direitos das mulheres e por melhorias na educação de nossas crianças.

Permaneci pouco tempo na Câmara de Vereadores. Já em 2010, impulsionada pela militância partidária e diante da necessidade de ampliar nossas lutas, fui eleita Deputada Estadual pelo PDT.

Em 2011, assumi o mandato como Deputada Estadual, a mais votada pelo PDT, com o compromisso de lutar pela implementação de um projeto de educação pública de qualidade. Por lutar em defesa da educação, já no início do mandato, assumi a presidência da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, quando realizamos seminários, debates e audiências públicas na capital e no interior, sobre o processo educacional do Estado.

No primeiro ano de meu mandato, articulei e aprovei a Emenda Constitucional nº 62/2011, que obriga a implantação, progressiva, da Escola de Tempo Integral no Rio Grande do Sul.

Em 2013, assumi a liderança do partido na Assembleia Legislativa e aprovei a criação da Comissão Especial em Defesa da Escola de Tempo Integral, a fim de dar continuidade e implantar, definitivamente, o projeto educacional de meu avô.

Dos debates, seminários e audiências públicas realizadas, desenvolvi em conjunto com a comunidade escolar ante projeto, que transformou-se na Lei nº 14.461/2014, que tem o objetivo de assegurar 50% da rede pública de ensino funcionando em tempo integral. Com isso, vamos garantir 7 horas de aprendizado e 4 refeições diárias, bem como reforço escolar, atividades culturais, esportivas e tecnológicas. O resultado deste trabalho foi o anúncio do Governo do Estado em mais 23 escolas atuando em Tempo Integral.

Defensora de políticas públicas e mais espaços para as mulheres, retornei à Assembleia Legislativa, em 2014, para meu segundo mandato, momento em que nasce minha filha Angelina.

Motivada pela causa das mulheres/mães e conhecedora da questão, apresentei projeto de lei que obriga empresas privadas e órgãos públicos a oferecer salas de apoio à amamentação às funcionárias.

Defendendo a importância da amamentação na vida dos bebês e das mães, as salas de apoio à amamentação servem para que as mães que possuem jornada dupla (maternidade e trabalho) possam armazenar adequadamente o leite retirado da mama, em horário de expediente, para alimentar seu bebê ao retornar do trabalho.

Sou herdeira de uma linha de políticos comprometidos com a gestão pública em defesa da maioria da população. Meu avô já, quando governador do RS e prefeito de Porto Alegre, fez muito pela população. Seu maior projeto foi zerar o déficit educacional da época.

Aprofundar este projeto educacional, resultando em melhorias que importem na formação de homens e mulheres livres e conscientes de seus direitos e deveres, sempre foi meu objetivo. Debater e encontrar soluções para dar fim às diferenças sociais, para maior segurança dos gaúchos, buscando oportunidades para os desprotegidos e, sobretudo, criar bases para transformar nosso Rio Grande em um Estado de todos e para todos.

Um abraço,

Juliana.